Pipoca de Sexta #48 - Whiplash

Heey peoples! Beleza? O Pipoca de Sexta de hoje está especial. O Motivo? Terei a honra de falar sobre um filme que foi indicado a mais de dois Oscars e que se tornou um dos meus favoritos. Venham!

Título: Whiplash – Em Busca da Perfeição
Título Original: Whiplash
Gênero: Drama
Elenco: Miles Teller, J.K.Simmons, Paul Reiser e etc.
Distribuidora: Sony Pictures
Ano de Lançamento: 2014
Nacionalidade: EUA
Direção: Damien Chazelle


Avaliação:

Elenco: 5/5
Trilha Sonora: 5/5
Obra Completa: 5/5



O solitário Andrew é um jovem baterista que sonha em ser o melhor de sua geração e marcar seu nome na música americana como fez Buddy Rich, seu maior ídolo na bateria. Após chamar a atenção do reverenciado e impiedoso mestre do jazz Terence Fletcher, Andrew entra para a orquestra principal do conservatório de Shaffer, a melhor escola de música dos Estados Unidos. Entretanto, a convivência com o abusivo maestro fará Andrew transformar seu sonho em obsessão, fazendo de tudo para chegar a um novo nível como músico, mesmo que isso coloque em risco seus relacionamentos com sua namorada e sua saúde física e mental.







Resumo:

Andrew estuda na escola de música mais famosa do mundo e dá seu sangue para melhorar cada vez mais em sua maior paixão: a bateria. O jovem sempre está se aprimorando e tem o sonho de tocar em uma orquestra profissional. Em determinada ocasião ele acaba chamando a atenção de Terence Fletcher um dos mestres do jazz e detentor do posto de maestro em uma orquestra super renomada. Parece que o sonho de Andrew está preste a se realizar!

Já em treinamento na orquestra de Terence, Andrew começa a perceber o quanto correr atrás dos seus sonhos será difícil. O maestro usa de métodos brutais e questionáveis para treinar seus alunos e os humilha até não poder mais. Porém, Andrew é forte e não deixa que os métodos do maestro estraguem seu sonho. Será que ele conseguirá realizar seu sonho diante de tamanha pressão? E Terence, como ficará?

Opinião:

Quando um filme é indicado ao Oscar minha atenção já é automaticamente redirecionada a ele, mas nem sempre o filme em questão é de qualidade. Fui assistir Whiplash esperando um filme que me entretece e emocionasse, porém encontrei muito mais. Encontrei arte! Whiplash é uma verdadeira orquestra de qualidades técnicas e de arte conceitual. 

O subtítulo brasileiro já dá masticado ao telespectador aquilo que o protagonista quer alcançar: a perfeição. Andrew nunca está satisfeito com seus méritos e seu talento, ele sempre quer mais e sempre está em busca disso. O protagonista não é um poço de simpatia, mas cumpre brilhantemente seu papel. Chocar-nos, emocionarmos e fazer-nos refletir. Andrew, de certa forma, concentra um pouco de cada um de nós. Ele carrega o orgulho e a baixa autoestima por boa parte do filme e as provações por que passa mostra ao público o quanto ele é corajoso e determinado. Porém, também somos determinados para conseguir aquilo a qual almejamos. SERÁ?



Whiplash toca bastante no emocional do espectador e usa a emoção como principal artefato para despertar emoções e conflitos internos. A mágica do filme está realmente ai! Você se pegará torcendo e "chorando" por Andrew em diversas partes do filme. A obra realmente transcende a tela e consegue chocar a qualquer pessoa. Acredite! Você custará ficar quieto em sua cadeira na sala de cinema.

O filme também arrisca no romance, mas não é algo que tenha o foco principal, ele está ali por um bom e claro motivo, que será facilmente percebido pelo espectador. Mesmo que algumas pessoas o achem quase inútil eu realmente entendi o motivo de tudo aquilo. Andrew perde seu grande amor para tentar o seu sonho. Ok, você pode até pensar: Opa, eu já vi isso outras vezes. Porém, aqui é feito de maneira rápida e sagaz.


Além de uma história recheada de sentimentos, o filme também acerta em cheio quando se trata da parte técnica. Whiplash possui uma fotografia muito bonita e um jogo de câmeras espetacular. São feitos diversos "closes" em momentos X onde o protagonista passa por problemas e isso intensifica em 100% a angústia do espectador. Foi uma jogada muito bem pensada e inteligente do diretor. "Congrats".

É até estranho falar de trilha sonora em um filme a qual o tema principal é a música, mas não poderia deixar de ressaltar a impecabilidade da trilha. INCRÍVEL! Sério gente. Vocês precisam ver! O legal de Whiplash é que além de assistir você também "escuta o filme". Garanto-lhe que sairá da sessão com vontade de ouvir alguma orquestra.


Esse é um filme para ser sentido e apreciado. O final é um dos mais espetaculares que já vi. Não por acabar de uma maneira incrivelmente surpreendente, mas sim por acabar na hora exata. Juro. EXATA! O filme acaba e você ainda não consegue respirar tamanha a emoção. Whiplash te ensina que, não importa os obstáculos, você deve sempre correr atrás daquilo que deseja e que "só os fortes sobrevivem no final". ASSISTAM!

Resenha: Garoto Encontra Garoto - David Levithan

Oi leitores, como vocês estão? Hoje trago mais uma obra do Grande David Levithan. Depois de Todo dia, David virou o queridinho de muitos leitores, inclusive o meu. Em Garoto encontra Garoto, ele demonstrou mais uma vez sua habilidade na escrita e criatividade das estórias. Então, vamos conferir: 

Título: Garoto encontra Garoto
Título Original: Boy meets Boy
Páginas: 240
Autor (a): David Levithan
Editora: Galera
Gênero: YA
Ano de Publicação: 2014

Avaliação:

CAPA: 4/5
DIAGRAMAÇÃO: 5/5
OBRA COMPLETA: 4/5



Nesta mais que uma comédia romântica, Paul estuda em uma escola nada convencional. Líderes de torcida andam de moto, a rainha do baile é uma quarterback drag-queen, e a aliança entre gays e héteros ajudou os garotos héteros a aprenderem a dançar. Paul conhece Noah, o cara dos seus sonhos, mas estraga tudo de forma espetacular. E agora precisa vencer alguns desafios antes de reconquistá-lo: ajudar seu melhor amigo a lidar com os pais ultrarreligiosos que desaprovam sua orientação sexual, lidar com o fato de a sua melhor amiga estar namorando o maior babaca da escola... E, enfim, acreditar no amor o bastante para recuperar Noah!







Resumo:

Paul é o típico gay adorado por todos. Assumido desde pequeno, sem problemas com os pais e cheio de amigos. Ele faz parte de um clube gay que envolve os héteros. Ele é um exemplo para todos. Conhecido como o garoto que sabe aceitar suas escolhas sem se importar com a opinião alheia.

Seu melhor amigo é um gay enrustido, e Paul o ajudará a ser assumido. Seu outro amigo, ou amiga (?) é um quarterback drag-queen que joga futebol de salto alto, mas não deixa de ser o melhor. Sua melhor amiga se transforma quando começa a namorar um cara que foi ignorado pelo quarterback. E, para piorar, Paul perde o amor de sua vida, Noah. Com a ajuda de todos seus amigos, Paul vai se meter em confusões para reconquista-lo. Mas também, ira descobrir o valor do amor, da simplicidade e da amizade.

Opinião:

Desde que li Will&Will, David começou a ser um dos meus autores preferidos de YA. Ao ler a sinopse de 'Garoto encontra Garoto' não pensei duas vezes antes de comprar. David aborda muito sobre assuntos 'GAYS', mas de uma forma diferente. O que era para ser uma coisa trágica. Ele, magicamente, transforma em comédia.

É-nos apresentado neste enredo um “universo paralelo”. Desde quando um capitão de time de futebol aceitaria um quarterback vestido de mulher? Ou aceitaria que ele jogasse de salto alto? Qual escola que pelo menos UMA pessoa não provoca bullying com os gays? Não existe. Todo lugar existe preconceito. David muda isso. Ele mostra um mudo que existe de tudo, menos preconceito. Os gays se misturam com os héteros. E os héteros tem orgulho de serem amigos dos gays.

Paul é o protagonista mais adorável do universo. Ele tira sarro de todos os problemas, e leva uma vida sem intervenção de ninguém. É engraçado e sarcástico.

"Adoro a situação, essa realidade flutuante. Sou um piloto solitário observando a terra de Namorados e Namorados. Sou três notas no meio de uma música."

David soube caracterizar muito bem os personagens. Ele deu uma personalidade única a cada um. Paul é engraçado; o amigo gay dele é 'solitário'; sua melhor amiga é 'rodada'; a quarterback é a QueenB e o Noah é o 'enganado'. Todos tiveram amadurecimento no decorrer da estória, menos a QueenB.

Apesar das comédias, David trouxe um assunto muito sério: ACEITAÇÃO. Ele usou religião, como um motivo dos pais de Tony não aceitarem ele. Nada polêmico, apenas a realidade. Ele usou itens discutidos na mídia e, no fim, passou uma lição de vida. 

"Se não houver sentimento de medo, não vai haver necessidade de coragem."

Os amigos de Paul são tão atrapalhados que, ao invés de ajudarem a reconquistar o Noah, eles pioraram a situação.

"Eu me pergunto se é possível começar um novo relacionamento sem magoar alguém. Eu me pergunto se é possível ter felicidade sem ser à custa de outra pessoa."

Garoto encontra garoto é um livro bem bacana. As cenas criadas pelo autor são muito engraçadas, dei boas risadas. Apesar de ter lido alguns comentários negativos por causa do assunto ser novamente sobre gays (David só sabe falar disso, hahaha. Mentira!). Achei a leitura excelente, e em qualquer momento, leria de novo. O autor criou uma estória totalmente voltada para qualquer tipo de publico, não tem nada de picante, palavrões, ou qualquer coisa do tipo.

Levithan mostrou que sem amigos não somos nada. Você não precisa ter mil amigos para ser feliz. Basta ter UM, desde que seja verdadeiro e te ajude nos piores e acompanhe nos melhores momentos.

"O fato de me sentir tão terrível é uma prova perversa do valor e do significado dele para mim."

Não é um enredo típico em que gay se apaixona por gay e sofre preconceito por causa disso e blablabla. É bem diferente. David usou uma escrita bem leve, com algumas frases marcantes. O desfecho foi perfeito, e o que Paul fez para reconquistar Noah... Bom, até eu queria isso.

Eu super recomendo a leitura, principalmente se você quiser rir. A narrativa é rápida. Nada detalhada ou chata. Depois das primeiras páginas não consegui parar de ler, e tecnicamente engoli o livro em 2 horas. David demonstrou ser um autor totalmente cuidadoso nos assuntos que ele escolhe. Não fala nada demais, mas também mostra a realidade. Espero que ele traga mais livros sobre esse tema.

E então já leram? Se sim, o que acharam? Se não, leriam?

Beijos e até a próxima <3

Vivendo e Atualizando #20

Eae pessoal! Beleza? Depois de quase três meses sumido, finalmente o Vivendo e Atualizando está de volta e dessa vez com novidades polêmicas para vocês. Espero que todas curtam. Let's go!
Farol Literário lançará série New-Adult de sucesso. Cena polêmica de Cinquenta Tons de Cinza será retirada da adaptação cinematográfica. Sia é acusada de pedofilia por novo clipe.

1 - Morte Súbita ganhará nova capa para promover a série.



Com a aproximação da série adaptada de Morte Súbita de J.K.Rowling a editora decidiu publicar uma nova edição do best seller, só que dessa vez, com a capa da série. O objetivo é promover e chamar a atenção para o evento televisivo que promete altos índices de audiência. Eae, será que cola?

2 - Paula Pimenta aparece diversas vezes na lista de autores mais vendidos do Brasil.



Parece que Paula Pimenta não cansa de fazer sucesso. Recentemente a PublishNew juntamente com a empresa Nielsen Bookscan criou uma lista para prestigiar os autores nacionais. E adivinha! Paula Pimenta figura 6 vezes no TOP 20 dos mais vendidos. Isso mesmo, um recorde para o seu tempo! Parabéns a Paulinha!


3 - Farol Literário lança consagrado livro de suspense.



Finalmente a Farol Literário anunciou o lançamento do livro "Não Olhe Para Trás" o livro de Jennifer L. Armentrout é o maior sucesso nos EUA e agora teremos a oportunidade de conhecer sua história que gira em torno de Samantha, que um dia é encontrado a beira da estrada suja de sangue. Samantha não se lembra de nada da sua vida, que aparentemente é apresentada para ela como uma vida perfeita, mas algo dentro dela diz ao contrário. Sua vida não era esse "conto de fadas" apresentado.

Cinema:

1 - Famoso trecho de 'Cinquenta Tons de Cinza' será cortado da adaptação cinematográfica.



Não é segredo pra ninguém que "Cinquenta Tons de Cinza" é cheio de erotismo, mas uma cena em especial do livro gerou bastante polêmica por parte dos fãs. Trata-se de uma cena que envolve um absorvente interno (que não será descrita aqui). Em entrevista o produtor do filme Michael de Luca, declarou: “O livro tem a necessidade de colocar você no lugar de Ana, para ser uma experiência bem-sucedida.” Muito disso era bem literal. O filme não precisava disso. É uma forma completamente diferente. 

2 - Oscar 2015 comete várias injustiças e deixa de fora muita gente e filme bom.



Apesar de boas indicações o Oscar 2015 deixou de fora muita gente. O tão elogiado 'Garota Exemplar 'não foi indicado a nenhuma categoria que envolvesse seu enredo, levou apenas a indicação de Melhor Atriz pelo excelente trabalho de Rosamund Pike. Jennifer Anniston também ficou de fora por 'Cake' o que gerou revolta da parte dos fãs nas redes sociais. E o que dizer do incrível 'Aventura Lego'? A animação ficou de fora das principais categorias que envolvem seu estilo. Tá bom ou quer mais?

Música:

1 - Sia é acusada de promover pedofilia em novo clipe.



Que Sia é polêmica isso todos já sabem, mas recentemente a coisa ultrapassou um pouco o limite. Após liberar o clipe da música 'Elastic Heart' a cantora sofreu uma enxurrada de acusações de promover a pedofilia no clipe. O motivo? O ator Shia LaBeouf está apenas de cueca ao lado da pequena atriz  Maddie Ziegler. O clipe é recheado de expressões e contato entre os dois, mas de acordo com Sia nada passa de pura arte e a cantora também pediu desculpas a todos. O que acha?

2 - Taylor Swift tem o álbum mais vendido de 2014.



Taylor Swift está mesmo no topo. Recentemente seu álbum "1989" que a levou de vez para o mundo "POP" conseguiu um enorme feito. A intérprete de "Blank Space" ultrapassou o álbum da trilha sonora de "Frozen" e obteve mais de 3,35 milhões de cópias vendidas somente nos EUA. Mas, vamos combinar. O álbum merece!

Espero que tenham gostado. Beijo e Abraço!

Resenha: A Extraordinária Garota Chamada Estrela - Jerry Spinelli

Heey peoples, beleza? Depois de adiar e pensar bastante, finalmente eu resolvi postar a resenha desse livro que eu tanto adorei e que tanto me marcou. Não foi fácil pra mim falar sobre ele, mas eu espero que vocês curtam e também que leiam essa incrível obra.

"Spinelli tece uma história mordaz e agridoce, que captura a essência do inconformismo e a cultura adolescente. Vai soar verdadeira tanto para leitores novos quanto para os mais velhos, que irão lembrar como é ser jovem."

                                                                     Book Report




Título: A Extraordinária Garota Chamada Estrela
Título Original: Stargirl
Páginas: 192
Autor(a): Jerry Spinelli
Editora: Gutenberg
Gênero: Infanto Juvenil
Ano de Publicação: 2014

Avaliação:

Capa: 5 estrelas
Diagramação: 5 estrelas
Obra Completa: 5 estrelas (favorito)


COMPRE: Aqui!
 


Sinopse: A garota chamada Estrela. Ela é tão mágica quanto o céu do deserto. É tão estranha quanto seu rato de estimação. É tão misteriosa quanto seu próprio nome. Com um simples sorriso, ela captura totalmente o coração de Leo Borlock. Com sua alegria, ela incendeia uma revolução de liberdade e autenticidade no espírito de sua escola. No começo, os colegas encantam-se com ela por tudo o que a faz ser diferente. Mas isso começa a mudar, e Leo, apaixonado e apreensivo, percebe que a única coisa que pode salvá-la das críticas é a mesma que pode destruí-la: ser alguém comum. Nesta celebração do inconformismo, o premiado Jerry Spinelli tece um conto tenso e emocional sobre os percalços de precisar ser popular e da emoção e inspiração do primeiro amor.


Resumo:

Leo é um estudante normal de uma escola normal. Ele não é popular, mas também não é desconhecido. "Trabalha" em um programa de entrevista para a escola, que é super disputado pelos populares das turmas escolares. Um dia uma aluna nova entra na escola. Até aquele momento tudo estava normal, mas ao descobrirem que ela se autodenomina "estrela" as coisas começaram a mudar.

Estrela é diferente. Ela canta parabéns para você no refeitório no dia do seu aniversário (sim, ela sabe o dia certo). Ela torce pelo o time de futebol adversário e por aí vai. Estrela é complexa e justamente por essas peculiaridades acabou se tornando a garota mais popular da escola. Mas, como as pessoas não souberam apreciar sua luz, estrela acabou sendo odiada algum tempo depois. Quem disse que ela se importou?

Leo não esperava, mas se aproximou de estrela de uma maneira que nunca imaginaria que iria acontecer. Os dois agora só andam juntos. Todos evitam Leo, pois ele (agora) anda com a menina mais estranha do colégio. A dúvida começa a consumi-lo. Será que deve continuar andando com estrela? Afinal, quem é ela? Por que ela é tão feliz e excitada com a vida? 


Opinião:

Às vezes não estamos preparados para determinadas leituras. De vez em quando lemos um livro bom em um momento errado e outras vezes lemos um livro ruim em um momento certo. A Extraordinária Garota Chamada Estrela foi o livro perfeito para um excelente momento. Divertiu-me, ensinou-me, encantou-me. Sem dúvida, um dos melhores livros que li na vida!

Estrela é uma personagem adorável. O autor a construiu magistralmente. Ela nos soa tão familiar e tão extrovertida que é impossível não amá-la logo de cara. Estrela é luz! Estrela é peculiar e integra. Para ela o que importa é a felicidade e nada mais. Um personagem desse tipo faz com que qualquer livro se torne maravilhoso. E é o que esse livro é. M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O! Nunca tinha lido um personagem com tanta força e tão real. Estou encantado até agora.

"Ninguém tem as horas, ela disse. O tempo não pode ser possuído. O tempo é livre para todos."

Jerry ambientou o livro de maneira perfeita. Grande parte dele se passa na escola que, assim como estrela, tem suas pitadas de peculiaridade. O nosso narrador - o chatíssimo Leo - sonda todos os personagens e os nivela da mesma forma. Todos são normais e seguem um mesmo propósito. NADA! Isso mostra o quanto o autor preparou o terreno para a chegada de estrela. Ela é a metáfora perfeita para a pessoa que transforma e revira qualquer ambiente com a sua luz. Luz essa, que incomoda diversas pessoas.

Achei genial a tática usada pelo autor perto do meio da história. Todos ficam maravilhados com estrela ao conhecê-la, mas depois de um tempo todos começam a odiá-la. Isso mostra o quanto o diferente é desconhecido. O diferente encanta no início, mas depois gera desprezo. Ninguém está acostumado com o diferente. Como viver bem sem conviver com as diferenças? 

"Ela era fugaz. Ela era hoje. Ela era amanhã. Ela era o aroma mais suave da flor de um cacto, a sombra fugídia de uma coruja marrom. Nos não sabíamos o que fazer com ela. Em nossa mentem, tentávamos fixá-la em um quadro de cortiça como uma borboleta, mas o alfinete simplesmente se soltava e ela voava para longe."

Você deve saber que esse livro não possui grandes acontecimentos. Ele todo gira em torno de estrela e suas ações. Mas, para mim, o livro foi perfeito. Estrela é tão magnífica que eu não consegui desgrudar do livro enquanto não o terminei. Não para descobrir o que iria acontecer, mas sim para absorver mais um pouco da genialidade de estrela. Uma personagem tão pura que comove e surpreende.

A única coisa que me decepcionou um pouco foi Leo. Não conseguir gostar dele. Por mais que suas dúvidas fossem completamente aceitáveis para uma narrativa de livro infanto-juvenil, sua personalidade sem graça me causou antipatia. Entendo o papel dele no livro - de suma importância - mas ficaria um pouco mais feliz com sua evolução ao longo do tempo. O que não ocorreu. Mas tudo bem. Paciência!

Gutenberg caprichou na edição. A capa demonstra a sutileza do livro. Diagramação e folhas estão em perfeito estado. Tudo é harmônico, nada é exagerado. A revisão pecou um pouco em alguns momentos, mas nada escandaloso. Fiquei contente com a edição preparada pela editora. Parabéns!

"Seu cabelo loiro claro estava arrumado para trás em duas tranças, cada uma delas amarrada com uma fita vermelha cintilante. Havia blush colorindo cada bochecha, o que suavizava algumas das grandes sardas do rosto. Ela parecia uma caipira. Ou a Betty, a pastora de ovelhas do Toy Story."

Sinto que posso ficar falando aqui toda a vida, que mesmo assim não conseguirei expressar a grandiosidade dessa obra. Um livro singelo e delicioso. Estrela com certeza estará na minha vida para sempre. Agradeço muito ao autor por me dar a oportunidade de conhecer essa personagem tão incrível. E parabenizo-o pelo final emocionante e espetacular. LEIA, LEIA, LEIA E LEIA!

Taylor Swift - Book Tag

Heey leitores, tudo bem? Hoje é dia de tag (sei que vocês adoram). Depois de tanto ver e ler eu e a Mari optamos por fazer a tag da linda Taylor Swift. A tag é um pouco diferente e possui perguntas muito legais. Espero que curtam. Bora:

A Tag foi criada pelo vlog The Book Life.

Gabriel - Lado Esquerdo

Mariana - Lado Direito


Music Life #8: Sugar, Take Me To Church e Just One Yesterday

Heey pessoal, tudo beleza? Depois de algum tempo sumida, finalmente a coluna mais visitada do blog está de volta. Yeah! Hoje o Music Life trata-se de três músicas incríveis e que com certeza merecem a sua atenção. Além disso, você tem a chance de pedir a indicação de sua música favorita no Music Life #9. Let's go!
Músicas citadas na coluna de hoje: Sugar, Take Me To Church e Just One Yesterday.



Sugar - Maroon 5


Não é segredo pra ninguém que eu sou fã da banda Maroon 5. Os caras são incríveis! Sugar se tornou minha música favorita do CD logo em seu lançamento. Finalmente, ela virou single (talvez encerrando a era "V"). O vídeo já conta com 40.000 milhões de visualizações e #5 no Itunes EUA em apenas três dias de lançamento. A música é divertidíssima. Como toda música do Maroon 5, Sugar conta a história de um rapaz que quer seu amor de volta e implora constantemente: "Por que você não vem despejar em mim. Açúcar". Por mais que o clipe seja uma versão melhorada de Birthday eles arrasaram e merecem sua atenção.


Take Me To Church - Hozier


O que falar sobre "Take Me To Church"? Essa música é uma das mais fascinantes que já ouvi nos últimos anos. Posso definir essa obra prima como: polêmica, irônica e séria. É até meio complicado pra mim falar da música. O clipe é sensacional e, pra mim, também é um dos mais bem feitos clipes dos últimos anos. A música se mantem no TOP5 de Itunes à um século (merecidamente). Por favor, se você não conhece, trate de ouvir.




Just One Yesterday - Fall Out Boy feat Foxes


VÍCIO! Já perdi a conta de quantas vezes escutei "Just One Yesterday". Através do título já é possível saber que a música traz algo grandioso em sua letra. Sou apaixonado na voz do vocalista dos Fall Out Boy e esse dueto com a Foxes me emocionou. Te garanto que o refrão será um dos mais bonitos e empolgantes que você irá ouvir. Por favor, escute!



Espero que tenham curtido o post. Beijo e Abraço!

Pipoca de Sexta #47 - Os Caras de Pau em O Misterioso Roubo do Anel

Heey pessoal, beleza? Depois de algum tempo sumido (ou muito tempo) o Pipoca de Sexta está de volta. Hoje vou falar sobre um lançamento recente, que me decepcionou até o último momento. Vamos lá!

A avaliação geral da crítica especializada é de 2,5 estrelas para o filme.


Título: Os Caras de Pau em O Misterioso Roubo do Anel
Gênero: Comédia
Elenco: Leandro Hassum, Marcius Melhem, Christine Fernandes...
Distribuidora: IMAGEM FILMES
Ano de Lançamento: 2015
Nacionalidade: Brasil
Direção: Felipe Joffily

Avaliação:

Elenco: 4/5
Trilha Sonora: 3/5
Obra Completa: 2/5





Sinopse:

A socialite Gracinha de Medeiros (Christine Fernandes) contrata os atrapalhados seguranças Pedrão (Marcius Melhem) e Jorginho (Leandro Hassum) para tomarem conta do anel Tatu Tatuado de Topázio, uma herança de família, enquanto o objeto fica em exposição em um museu. Acontece que a joia é roubada e a dupla é acusada pelo furto. Para provar sua inocência, eles vão ter que enfrentar uma quadrilha de ninjas e até mafiosos portugueses, de olho no anel.



Resumo:

A socialite Gracinha de Medeiros é uma mulher rica e elegante. Para proteger um valioso anel que é herança de família, ela decidi contratar dois seguranças atrapalhados: Pedrão e Jorginho. O objeto está em exposição em um famoso museu e o trabalho dos dois seguranças é de extrema importância. Até que o valioso anel é roubado e os dois amigos se encontram em uma enrascada. Eles acabam sendo acusados de roubar a tão valiosa joia.

Aflitos e com bastante medo, eles decidem provar que são inocentes, até que Jorginho descobre que o valioso anel foi parar por circunstâncias duvidosas em seu estômago. Agora ele está com a joia valiosa em seu interior e, mesmo assim, precisa provar sua inocência junto a Pedrão. Acontece que a máfia e uma quadrilha de ninjas estão atrás dos dois. Além disso, Gracinha está visivelmente “apaixonada” por Pedrão. E agora?


Opinião:


Não assisti Caras de Pau por vontade própria. Assisti por falta de opção. Era Uma Noite no Museu 3 ou Os Caras de Pau, por isso, decidi dar uma chance ao duvidoso filme nacional. Confesso que não esperava absolutamente nada do filme. Ainda bem, porque o filme é péssimo!

"Ao infinito e além"
O roteiro do filme é incrivelmente péssimo. Posso começar criticando o primeiro ato mal elaborado. As explicações para os acontecimentos são inverossímeis e até idiotas, assim como os motivos que levaram tal coisa a acontecer. A cena inicial já me desanimou bastante, por se tratar de uma referência mal executada a um clássico do cinema investigativo. O diretor disse que o filme é explicitamente uma homenagem aos "Trapalhões". Coitada da trupe! Além disso, o longa possui várias outras referências a filmes de sucesso, como: A Dama e o Vagabundo e 007. Algumas soaram até bem, outras prefiro nem comentar.


Como sempre a dupla de palhaços tropeçou na hora de fazer piada. Irrito-me bastante com os estereótipos a qual o filme vinculou a imagem de várias pessoas. Aqui temos a desde a ricona fresca até o mordomo francês afeminado. Já vimos isso quantos milhões de vez? Hassum é o gordo atrapalhado que só se mete em confusão e Melhem é o inteligente que só pensa em furada. As raízes da série original estão preservadas, porém continuam mal executadas. Eles conseguiram fazer até a clássica briga de Cachorro X Gente ficar batida. Meu deus!

Lá vem o cachorro.
Os personagens do filme também são pobres de personalidade e originalidade. Gracinha não desperta apatia alguma e logo no começo do filme é possível perceber o real motivo da presença dela no filme. Um motivo incrivelmente besta e clichê! Também temos um grupo de policiais pra lá de chato. Ficou clara a piada que eles quiseram fazer com a classe, mas pra mim não funcionou. Prefiro nem falar sobre o grupo de mafiosos e os ninjas. Só consegui sentir vergonha alheia e vontade de sair do cinema antes que o filme terminasse.


Gostaria muito de saber quem escreve as piadas sem graça que esses dois soltam. É cada pérola! Pra mim, o que torna um filme de comédia bom é que ele tenha algo que o gênero remete. Graça! Os Caras de Pau não consegue arrancar nenhuma gargalhada do telespectador. Eu ri sim em alguns momentos, mas aquela risada mais parecendo um soluço. Sabem? Triste situação. Este filme desonra a comédia brasileira. Senti saudades de Minha Mãe é Uma Peça e Até Que a Sorte nos Separe - curiosamente com o Hassum como protagonista - nesses momentos.

Mais rica que a Beyonce.
O único lado positivo do filme é, sem dúvida, a fotografia. Senti bastante orgulho do cinema brasileiro nesse filme. Não por causa da produção em si, óbvio! Mas sim, pela excelente fotografia. Isso mostra o quanto estamos preparados para crescer e fazer cinema de mais qualidade. E quem sabe, um dia, sermos indicados a algum Oscar. Meus parabéns a todos os envolvidos no projeto gráfico do filme. Ficou impecável.


A trilha sonora é normal, nada de chamativo. Gostei bastante do figurino usado pelos atores. Achei bem original, porém também não é algo incrível. Foi bastante cômodo acompanhar Pedrão e Jorginho em suas aventuras pelas ruas de SP e do RJ. Gostei da maneira como eles exploraram a cidade e preferiram não usar cenários tão fantasiosos.

PARADO AI!
Os Caras de Pau é um filme decepcionante e sem graça. Seu clichê, já exposto logo no título do filme é escandaloso. A infantilidade e a mau execução de atos simples fizeram com que ele não se tornasse ao menos engraçado. O filme subestima a inteligência do público. Em suma, me despertou dois sentimentos: angústia e vergonha alheia. Logicamente não recomendo. Gaste seu tempo com coisa melhor do que isso.


Resenha (dupla): Mentirosos - E.Lockhart

Iai pessoal, beleza? Hoje é dia de resenha e depois do enorme sucesso da resenha de After, eu e a Mari decidimos repetir a experiência e realizar outra resenha dupla. Tomara que vocês gostem. Let's go!

Ola pessoal, como vão? Mais uma resenha dupla. Eu e o Gabs resolvemos resenhar Mentirosos. Outro livro que tivemos opiniões opostas, e notas também. Entretanto, o livro me agradou demais. Vamos lá:

Gabriel - Azul

Mariana - Rosa


Título: Mentirosos
Título Original: We Were Liars
Páginas: 272
Autor(a): E.Lockhart
Editora: Seguinte
Gênero: Young Adult
Ano de Publicação: 2014

Avaliação:

Capa: 5 estrelas. 5 estrelas
Diagramação: 5 estrelas. 5 estrelas.

Obra Completa: 2,5 estrelas. 4 estrelas.

COMPRE: SARAIVA.




Eu vivo lendo. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design