Eu juro que não fiquei suspeitando da minha vózinha: Crítica - A Visita

9 de dezembro de 2015


Eu sou apaixonado em filmes de suspense e quando fiquei sabendo do lançamento de The Visit, é óbvio, que fiquei louco para assistir. O recurso “found footage” me desanimou um pouco no início, mas logo me lembrei de obras-primas como a Bruxa de Blair e resolvi dar uma chance ao filme do ilustre M.Night Shyamalan. Não me arrependo!

O recurso utilizado pelo diretor é interessante e já desperta a curiosidade do espectador logo nos primeiros momentos do filme. Existe local aparentemente mais aconchegante e seguro que a casa dos avós? O filme se aproveita muito dessa situação nada convencional e começa a introduzir os aspectos que farão deste, um filme de terror, aos poucos. A narrativa é calmamente construída e o enredo não tem pressa ao ambientar os personagens e seus traumas.


Os problemas do filme começam a se manifestar gradualmente e são verdadeiros baldes de água fria perante o enredo anteriormente bem ambientado. O humor introduzido no filme atrapalha o andamento/desenvolvimento do suspense da trama. Tyler é um personagem, que apesar de engraçado, acaba se tornando inconveniente em boa parte do filme. Essas mudanças bruscas no tom fizeram que o conceito do filme caísse e a história demorasse para entrar nos eixos novamente.

A Visita trabalha com personagens que possuem camadas a serem reveladas ao longo da trama e as mesmas são realmente bem trabalhadas. Os atores fazem jus a ideia do diretor e conseguem transmitir vários sentimentos através de suas atuações. Deanna Dunagan está fabulosa e poderia facilmente ser indicada ao Oscar de 2016.


Algo muito interessante foi a maneira como a relação dos irmãos é desenvolvida ao longo da trama. Eles são irmãos unidos, que contam sempre um com o outro para resolver problemas – e se meter neles. Adoro quando algo desse tipo acontece e em filme do gênero é algo muito difícil de acontecer. Méritos ao roteiro!

O final de A Visita, apesar de ser bastante surpreendente, não é totalmente inovador em sua essência. Me peguei abraçando o travesseiro nos momentos finais do filme e toda essa tensão só não foi maior devido ao incomodo e instável tom do filme. O clima é valorizado pela belíssima fotografia – o que não condiz tanto quanto ao found footage. Quem dera a fotografia desse conta de tamanha confusão que é causada pela inconsistência de um roteiro mal planejado em momentos importantes.


A Visita não é um filme que não te deixará sem dormir, nem nada do tipo, mas certamente é um daqueles filmes para se assistir com a galera e dar boas risadas, além de tomar uns sustos de vez em quando. Um filme que acerta na hora de desenvolver seus personagens, mas peca quanto a consistência criativa e a contextualização de alguns acontecimentos.

Assista. Vale o entretenimento!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Heey!

Agradecemos pela visita. O que achou do post? Compartilha sua opinião conosco. Obrigado :)
















EU VIVO LENDO. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.
DESIGN E DESENVOLVIDO POR SOFISTICADO DESIGN