Resenha: Perdão, Leonardo Peacock - Matthew Quick

20 de março de 2015

Olá, queridos leitores, como vão? Acho que deu para perceber que eu fiquei um tempo sumida, né? Aconteceu um acidente, porém estou de volta, e trago a resenha de um livro - O LIVRO – que aborda o suicídio. Vamos lá: 

Título: Perdão, Leonard Peacock
Título Original: Forgive me, Leonard Peacock
Páginas: 223
Autor(a): Matthew Quick
Editora: Intrínseca 
Gênero: YA
Ano de Publicação: 2013

Avaliação:

Capa: 5/5
Diagramação: 5/5
Obra Completa: 5/5 (favorito)




Hoje é o aniversário de Leonard Peacock. Também é o dia em que ele saiu de casa com uma arma na mochila. Porque é hoje que ele vai matar o ex-melhor amigo e depois se suicidar com a P-38 que foi do avô, a pistola do Reich. Mas antes ele quer encontrar e se despedir das quatro pessoas mais importantes de sua vida: Walt, o vizinho obcecado por filmes de Humphrey Bogart; Baback, que estuda na mesma escola que ele e é um virtuose do violino; Lauren, a garota cristã de quem ele gosta, e Herr Silverman, o professor que está agora ensinando à turma sobre o Holocausto. Encontro após encontro, conversando com cada uma dessas pessoas, o jovem ao poucos revela seus segredos, mas o relógio não para: até o fim do dia Leonard estará morto.





RESUMO
Se existe uma pessoa que nasceu com azar, este é Leonard Peacock. Sem família - não literalmente, apenas presença - sem amigos, sem nada. Leo mora sozinho em uma casa, um lugar triste e solitário. Seu único ''amigo'', é seu vizinho Walt. Cansado de tudo, resolve matar seu melhor amigo e depois se matar. Léo tem um presente guardado de despedida para as 4 pessoas mais importantes da sua vida, e cada uma tem um significado. E então, entra o 5° presente. De quem será? 
OPINIÃO

Matthew Quick é bem conhecido por causa da sua obra de sucesso: O lado bom da vida. Então, quando comecei a ler PLP, fui com a maior expectativa da vida e não me arrependi. O livro fala sobre suicido, e não são todos os escritores que dominam este tema. É muito arriscado falar de algo muito ocorrido nos dias de hoje, principalmente dar motivo a isso. Porém, Matthew conseguiu ser delicado com suas palavras, e ao mesmo tempo inspirador.

Poucos personagens compõem a história, e quem nos conta sobre eles é o protagonista – o livro é narrado em 1° pessoa-. Os personagens não têm tanto destaque, porque a história gira em torno dos sentimentos de Léo. Não pude ver o amadurecimento de cada um, ou a construção exata. Não havia características, muito menos personalidades. Não que isso tenha sido algo ruim, ao contrário, deixou a obra ainda mais intrigante. 

"Por algum motivo, preciso comer panquecas de banana com gotas de chocolate para que tudo fique bem. Agora. É a unica coisa que pode me ajudar. Eu não sei por quê. Isso é como é. Digo a mim mesmo que, se Linda me fizer panquecas de banana com gotas de chocolate, serei capaz de perdoá-la por ter se esquecido do meu aniversário."

Leonard Peacock, foi um personagem bem construído do começo ao fim. Apesar de esperar o pior de todas as pessoas, ele é bem amável. Sabe aqueles meninos solitários que você tem vontade de abraçar? É ele! O que mais gostei no enredo, foi à facilidade de Quick em deixar os sentimentos de Leonard da maneira mais transparente possível. Eu consegui entende-lo. E os motivos que o levou a se suicidar, foram chocantes!

Outro ponto positivo da história foi à mensagem que Matthew tentou passar. Uma relação de mãe e filho! Uma parte da personalidade de Leo se deve a mãe ausente e sua falta de comunicação e carinho com o filho. Não deve ser fácil morar em um local que sua mãe não vai te visitar, e cuida das partes financeiras sem nem olhar na sua cara. Eu entendi a dor dele. Chamar a mãe pelo nome porque não consegue sentir afeto deve ser horrível. Então todos, TODOS precisamos de carinho materno. 

Mexer com a cabeça de um suicida não é fácil, eles são como uma bomba relógio e podem explodir a qualquer momento. E quando o professor de Léo conseguiu mostrar a ele que a vida ainda tinha muitas coisas boas para mostrar - por experiência própria - um personagem X vai lá e estraga isso. 

"Que aniversário é esse? Que vida é essa? Ergo a P-38 e volto a pressionar o cano em minha têmpora."

Os mistérios que Quick criou eram filosóficos. Sabe quando você descobre algo e não para de pensar, fica criando respostas e mais respostas? Então... E um dos melhores mistérios desvendados foi o motivo de Herr Silverman - professor de Leo - usar apenas camisa de manga longa. Foi uma descoberta tão tocante. Não sei definir se foi triste ou curioso. Perdão, Leonard Peacock me levou a: risos, lágrimas, raiva, e todos os tipos de sentimentos existentes. Não é atoa que é um dos meus livros favoritos.

A ideia de dar quatro presentes para as pessoas mais importantes da sua vida foi genial. É como se fosse uma despedida. Mas é ai que entra o quinto presente, tão... Assustador! Pior ainda é o destinatário deste presente. Quick conseguiu deixar-me boquiaberta.

"Quero dar para cada um algo que os faça se lembrar de mim. Para que saibam que eu realmente me preocupo com eles e que lamento não ter sido mais do que fui - não poder ter continuado por perto -, e que o que acontecerá hoje não é culpa deles."

QUE DESFECHO PERFEITO! Amo quando você pode escolher o final para a história e foi isso que Matthew fez. Ele deixou em aberto, você decide o que vai acontecer. E eu decidi. Minha resposta foi NÃO! Quando vocês lerem, vão entender. 

A escrita de Matthew é tão suave e inteligente. Ele conseguiu mais uma vez se superar! Sucinto, realista e inspirador, são as palavras que o definem. Como o livro é narrado em primeira pessoa, o único ponto de vista que temos é do Leo, e isso basta.  Eu recomendo a leitura, garanto que explosão de sentimentos não irá faltar. 

"Ela não deixa o escritório - nem mesmo quando eu saio e bato a porta atrás de mim fazendo a casa estremecer."

Os rodapés que tem no livro são sensacionais. É algo que dá gosto de ler e não deixa a leitura chata, e sim mais interessante. A edição está maravilhosa. A capa é tão simples, porém tão encantadora. Fonte, folhas e diagramação estão impecáveis. 

Beijos e até a próxima <3

3 comentários:

  1. Minha amiga já me indicou esse livro uma vez, mas eu esqueci de anotá-lo na minha wishlist.
    Acho que seu post, foi um ótimo lembrete, e também um impulso para eu lê-lo o mais rápido possível. Mas acho melhor eu ler primeiro, O labo bom da vida, não sei... rs
    Enfim, adorei a resenha.
    Bjs
    http://myself-here1.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Biel, gostei muito da resenha. Já li várias críticas positivas deste livro. E o que me chama atenção é a história bem maluca, rs :)
    Abraço, http://likelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Gente... parece bastante intenso! rs. Mas fiquei curiosa... quem sabe não entra na minha lista de leitura de 2015? ;) Parabéns pela resenha, beijos!
    http://interessantedeler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Heey!

Agradecemos pela visita. O que achou do post? Compartilha sua opinião conosco. Obrigado :)
















EU VIVO LENDO. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.
DESIGN E DESENVOLVIDO POR SOFISTICADO DESIGN