Resenha: A Lista de Brett - Lori Nelson Spielman

30 de março de 2015

Oiii povo. Tudo bem? Estou aqui hoje pra contar pra vocês a minha experiência com um livro que mexeu bastante comigo e me ajudou a refletir sobre muita coisa. Espero que vocês curtam a resenha!

Título: A Lista de Brett
Título Original: The Life List
Páginas: 364
Autor(a): Lori Nelson Spielman
Editora: Verus Editora
Gênero: Chick-Lit
Ano de Publicação: 2014

Avaliação:

Capa: 5/5
Diagramação: 5/5
Obra Completa: 4/5





Brett Bohlinger parece ter tudo na vida — um ótimo emprego como executiva de publicidade, um namorado lindo e um loft moderno e espaçoso. Até que sua adorada mãe morre e deixa no testamento uma ordem: para receber sua parte na gorda herança, Brett precisa completar a lista de sonhos que escreveu quando era uma ingênua adolescente. Deprimida e de luto, Brett não consegue entender a decisão de sua mãe — seus desejos adolescentes não têm nada a ver com suas ambições de agora, aos trinta e quatro anos. Alguns itens da lista exigiriam que ela reinventasse sua vida inteira. Outros parecem mesmo impossíveis. Com relutância, Brett embarca numa jornada emocionante em busca de seus sonhos de adolescência. E vai descobrir que, às vezes, os melhores presentes da vida se encontram nos lugares mais inesperados.




RESUMO
Brett Bohlinger tem uma vida aparentemente perfeita. Ela é diretora de marketing de uma empresa de cosméticos bem sucedida, empresa essa que tem como proprietária sua doce mãe, Elizabeth Bohlinger. Até que sua amada mãe acaba falecendo e destrói por completo a estabilidade da vida de Brett. Chega o momento de ler o testamento, mas Brett já sabe que sua mãe deixou a empresa em seu domínio, porém ela acaba sendo surpreendida. A empresa não pertence a ela e também foi deixado uma ordem de sua mãe no testamento: Brett poderá receber sua herança, logo após cumprir as metas de sua lista de sonhos; Detalhe: lista escrita quando ela era adolescente.

Abalada pela decisão da mãe, até aquele momento, sem sentido, Brett faz de tudo para reaver com o advogado, o Dr.Midar, a decisão da mãe, mas os esforços dela são em vão e, a partir daí, Brett percebe que o único jeito de conseguir sua herança será cumprindo a lista. O problema? Como ela arrumará um noivo e um filho em apenas um ano?

Desmotivada, porém, curiosa, a jovem iniciar seu trajeto aos sonhos e descobre que, no fundo, sua mãe estava com a razão. Brett começa a descobrir um novo mundo de possibilidades e percebe que a felicidade pode estar no local mais humilde e na parte mais escondida. 
OPINIÃO
Encantei-me com A Lista de Brett a partir do momento em que bati o olho em sua capa maravilhosa. Como curioso que sou, logo dei um jeito de comprar o livro e, finalmente, consegui lê-lo. Agora que terminei a leitura, já posso dizer para vocês que NÃO me decepcionei e aprendi muito com esse livro. Ahh, chorei no final (hehehe).

A ideia inicial do livro não é algo novo, e, muito menos, excluso de clichês, mas tenho orgulho de dizer que Spielman conseguiu livrar o foco de seu livro dessa característica tão comum e desenvolveu algo que valeu a pena ser lido. Achei deverás interessante a maneira como tudo é apresentado para Brett e me identifiquei muito com a personagem. Pense você: sua mãe milionária morre e deixa a empresa pra sua nora, e coloca no testamento que você só poderá receber a herança caso cumpra uma lista de sonhos que você escreveu quando ainda era uma criança. Brett ficou puta! E, logicamente, eu também ficaria. 

"- É verdade. Sou uma pessoa de muita sorte. Mas há um limite para o que as fadas madrinhas podem fazer. Eu acho que cada um tem o poder de realizar os próprios desejos. Só precisamos encontrar coragem para isso."

O interessante no livro é que as coisas não acontecem rápido demais, ao contrário, tudo se desenvolve lenta e descritivamente. A autora me surpreendeu com sua narrativa descritiva e bem montada, porque eu não esperava isso de um chick-lit, mas como eu digo, existem mais de uma Marian Keyes por aí (hehehe).

A Lista de Brett, apesar de ser um livro com mil qualidades, logicamente, possui alguns defeitos e, infelizmente, o defeito do livro me fez descontar 1 estrela do mesmo. Achei alguns acontecimentos incrivelmente inverossímeis! Tudo bem, eu concordo com algumas atitudes tomadas pela protagonista, mas algumas delas soavam absurdas até mesmo para a ficção e isso é bem grave. Tive problemas também para engajar na leitura. Consegui pegar o livro e termina-lo de vez, só a partir da página 100.

"-Não quero metas, mãe; Eu mudei. 
O sr. Midar lê: 
É claro que você mudou.
Arranco a carta da mão dele.
-Ela disse isso mesmo?"

O interessante sobre o livro é que mesmo tendo um “plot” extremamente clichê a autora conseguiu sair da zona de conforto. O livro tinha tudo para ser engraçadinho e esquecível, porém, consegue ultrapassar essa barreira. Comédia não corresponde nem a 10% do livro. Lori foca no drama e, principalmente - em determinada parte do livro – o drama da adoção e seu respectivo preconceito. EU CHOREI! Confesso! Não tenho vergonha. As cenas criadas pela autora foram fenomenais, tão boas que eu adentrei o “mundo” de Brett e atingi um nível de concentração estratosférico. Pois é... UAU!

Os personagens são parte importante da história, mas poucos deles são fundamentais. Brett é o foco, porém, a autora desenvolveu o restante da “turma” com maestria. Essa malemolência da autora é muito gostosa de acompanhar e é até interessante (dado que é seu livro de estreia). 

“Você crítica a sua mãe, mas não é nem um pouco diferente. Você quer realizar aqueles desejos, eu sei que quer, mas tem medo demais de assumir os riscos. Vá fazer aqueles sonhos se tornarem realidade, B.B. Faça acontecer! Agora!”

Não tenho o que dizer sobre a edição feita pela Galera. Está impecável! Capa, diagramação, revisão, espaçamento, folhas e todos os elementos correspondentes ao livro estão minuciosamente caprichados. Parabéns a editora.

A Lista De Brett é um livro com um final lindíssimo e um desenvolvimento de dar inveja. É um pouco arrastado no início e soa inverossímil em muitas de suas cenas, mas de tão bom, esse erro é quase desconsiderado.  Lori Nelson mostrou a que veio e honrou o elogio de Sarah Addison Allen feito na capa. RECOMENDO!

Um comentário:

  1. Oii, tudo bom?
    Adorei sua resenha, a história parece ser muito boa e é claro, já deixei o nome gravado na minha lista de futuras aquisições!!
    Beijos.
    http://www.garotadolivro.com/

    ResponderExcluir

Heey!

Agradecemos pela visita. O que achou do post? Compartilha sua opinião conosco. Obrigado :)
















EU VIVO LENDO. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.
DESIGN E DESENVOLVIDO POR SOFISTICADO DESIGN