A Arte de Viver é Debater #6 - A Popularização de Livros Gays

Olá leitores, tudo bem? Nessa segunda-feira eu resolvi trazer um post bastante dinâmico e polêmico para comentar com vocês. O assunto de hoje é: literatura gay. Vamos lá!

Nesta coluna darei minha opinião sobre diversos assuntos. Chamarei amigos blogueiros e amigos anônimos para expressar sua opinião e, é claro, conto com a participação dos leitores.




Desde os primórdios da humanidade a diversidade sexual é algo explicitamente óbvio. De acordo com estudiosos, antes de Jesus Cristo já existiam pessoas com orientação sexual diferenciada. Então por que tanto preconceito? Seria a ignorância humana tão grande?

A literatura sofre altos e baixos. "Modinhas" são sempre apresentadas a esse tipo de entretenimento e a cada ano uma nova história ganha à simpatia do mundo. Esse ano, aqui no Brasil, uma espécie diferente de literatura tem ganhado a simpatia de todos. A literatura gay. Será que o preconceito está acabando? O que tem acontecido com as pessoas?

Na minha visão a homofobia é algo longe de acabar. Hipócrita pra mim são pessoas que dizem que a sexualidade de alguém já não é mais problema em nossa sociedade. É mentira. As pessoas - em sua grande maioria - ainda não aprenderam a respeitar e a conviver com a diversidade. Vejo que dois fatores podem estar chamando a atenção para esse tipo de livro: a curiosidade e a necessidade.


É sempre curioso, por mais que não seja do agrado de todos, ter algum contato com pessoas de uma sexualidade diferente. Percebe-se que são - obviamente - pessoas normais, que são completamente comuns. O problema, é que a sociedade ainda não aprendeu que isso é algo extremamente óbvio. Nada muda. Apenas a orientação sexual. 

Outro fator que chama a atenção das pessoas para esse tipo de literatura é sem dúvida alguma, a necessidade. No mundo em que vivemos, já não a como escapar desse assunto. Algumas pessoas não gostam de comentar sobre ou, simplesmente, debater com seus filhos, familiares, amigos e etc. É claro que devemos respeitar, mas mesmo assim, as pessoas já sentem uma necessidade muito grande de se informar mais sobre esse tipo de "mundo" e descobrir como ele funciona. É estranho... É a verdade.


Não sou contra livros gays, é claro, sou contra o modo como a mídia tem andado forçando esse tipo de assunto ao seu público. Temos que nos adaptar as coisas aos poucos e assim começaremos a respeitar e ver que todos nós somos iguais. Parabenizo as editoras que tem trazido esse tipo de literatura ao Brasil e torço muito para que os tabus sejam quebrados e todos nós podemos conviver em harmonia e sem qualquer tipo de preconceito. Aceitar não é fácil, mas respeitar é necessário.


Convidei dois amigos para compartilhar a opinião deles sobre esse assunto com vocês.

Felipe Freitas (Estupefato).


O Brasil sempre teve uma facilidade ímpar em refletir estilos que em algum período fez ou faz sucesso lá fora, e com a literatura não é diferente. O país já viveu seus tempos de aventura, de vampiros e lobisomens, de distopias e mais recentemente o romance crível e real foi a grande febre na categoria YA, mas neste momento há um estilo que parece ter conquistado - felizmente - o público jovem brasileiro: a literatura gay. Começando com personagens secundários, hoje um livro consegue muito bem se pagar com um personagem homossexual; David Levithan sem dúvida é o maior percursor do estilo e consegue de forma genuína transcrever esse mundo tão normal e bonito, mas que as pessoas se negam a enxergar. Esse movimento mostra que os jovens brasileiros estão deixando o preconceito de lado e como deve ser, estão atrás de uma boa história, não importa que orientação sexual o personagem tenha.

Thyago (Geek-Me)

Bom, a chegada de livros gays no Brasil é algo muito polêmico, rejeitado, para os que procuram evitar tal assunto, e para os homofóbicos, tanto leitores, quanto "não-leitores". O assunto sobre livros gays e romances gays tem muito a ser conversado, não para amenizar o preconceito. Em minha opinião, esse assunto tem de ser moderado. 
Mas afinal, sempre vai haver aquele livro bom e ruim, sendo de característica gay, ou não, não é mesmo? O que nos resta, é ler! 

O que vocês acham disso pessoal? Concordam com todas as opiniões que leram acima? Vamos conversar!

10 comentários:

  1. Belo texto! Infelizmente ainda há muitos que não aceitam o assunto, eu particularmente acho que todas as opiniões devem ser respeitas - desde que não extrapolem o bom senso e me venham com violência - engraçado que o último livro que li tinha um personagem gay como papel secundário mesmo, nunca tinha reparado que eles ficavam mais como secundário do que principais (sou um pouco desligada haha). Enfim, muito bom ler sobre o assunto sem ter aquele dramalhão todo.

    Beijos
    Passaporte Literário

    ResponderExcluir
  2. Gostei, porque tanto preconceito se Jesus ensinou o amor? Porque as pessoas não podem ser livres pra amar quem elas querem? Mania desse povo de se incomodar com gente que só quer viver em paz com quem ama. Eu conheço mais mangás com temática yaoi (como são chamados esse estilo) do que livros, mas confesso que não li nenhum, inclusive esses mangás yaoi são MUITO populares tanto no Brasil quanto no resto do mundo. De livros só 'Will&Will' que eu gostei razoavelmente. Fiquei curioso com esse novo do Levithan, gostei da escrita dele em ambos os livros que li do mesmo!

    Abraço!
    www.umomt.com

    ResponderExcluir
  3. Olá, Gabriel.
    Gostei muito da nova coluna. Enfim, literatura gay é algo que estar ganhando cada vez mais espaço no mercado literário do momento, confesso que ao ver livros como Will and Will e Garoto encontra garoto e demais livros do gênero achei meio esquisito. Mas no começo desse ano li um livro do Levithan, e não tem como foco o romance gay, mas em todo dia, o protagonista vive em vários corpos ao despertar em um novo dia. E então um dia ele acorda no corpo de um garoto que é gay, de fato não sentir nenhum estranhamento. Enfim, acho que não é o assunto abordado que pode vir a nos chocar ou nos agradar, mas sim a forma como o autor aborda aquilo, e o Levithan pelo jeito, aborda de uma forma comum, normal e bonita.
    Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Eu concordo um pouco com você no quesito de que a mídia vem forçando muito tudo isso ultimamente. Um exemplo são as novelas da globo. mas, como o assunto são livros...
    São poucos os que já li com personagens gays. E, nesses poucos, eles eram sempre coadjuvantes - Alec de Magnus, de Os Instrumentos Mortais, e Miles, de Os Imortais. Não li um livro em que eles eram protagonistas e o relacionamento homossexual dos dois era o centro das atenções. Não tive a oportunidade, mas lerei quando puder. Em suma, não tenho nada contra esse tipo de literatura ou com os gays em si, mas reconheço que o brasileiro ainda é meio "recluso" quando se trata desse assunto. Alguns até dizem que não têm preconceito, mas não gostam de gays - como assim? Se não gosta só porque ele é gay isso já é preconceito... Ainda há um longo caminho a percorrer para acabar com o homofobismo, e acho que ele só acabará quando todo mundo souber seu devido lugar. Se o outro cara é gay, o que você tem a ver com isso? A vida não é dele? Então, cuide da sua e ponto.

    http://blogityours.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Eu concordo com o comentário do Felipe, acho que é moda. Cada vez é uma. Quanto ao preconceito, até hoje tem pessoas que não gostam de negros, vai esperar o que dessas pessoas?

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  6. Olá Gabriel,
    gostei muito da postagem. Não posso concordar totalmente com o modismo, mas acho que ele contribui, e muito, para o que as pessoas vão ler/escrever/comentar. Acredito que o preconceito parte, principalmente, da própria pessoa, mas esse é um tema muito delicado.
    Particularmente, não teria problema algum em ler um livro gay, pois posso amar e odiar, assim como qualquer outro livro. A premissa da postagem é muito interessante.
    Beijos
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá Gab, incrível sua postagem.
    Acho mais do que importante debatermos esse quesito, afinal os gays também fazem parte da sociedade e porque não dos livros?
    Gosto e já li Will & Will.

    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  8. Eu acho que essa fase de muitas publicações de livros sobre gays é uma fase assim como a dos livros eróticos. Não vejo problema nisso, eu não os leio porque ainda não teve nenhum que me interessou, mas acho que fica a critério de cada um decidir se lê ou não.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi,

    adorei o post! Acho legal e super importante essa popularização da literatura gay, afinal os livros são boas maneiras de quebrar barreiras intelectuais. A homofobia ainda existe e muito e, por mais que livros que abordam o assunto não vão resolver o problema, eles colaboram para a solução. Só me incomoda que, na maioria dos livros, são retratados romances entre garotos e raramente entre garotas, algo que prova que o tema ainda tem muito a ser explorado.

    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Belo texto Gabriel, infelizmente no Brasil, enquanto não mudar nas idades mais baixas isso não vai acabar, Admiro autores que se arriscam com tramas assim, como o Levithan, ele simplesmente brinca com algo banal pra mostrar que ser gay é normal.
    Belo texto

    http://penelopeetelemaco.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Heey!

Agradecemos pela visita. O que achou do post? Compartilha sua opinião conosco. Obrigado :)

Eu vivo lendo. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design