Resenha: Libertada - Michelle Knight

11 de agosto de 2014

Olá leitores, como vão? Essa semana será especial, pois teremos resenhas hoje, quarta e sexta. Pois é, preparem a lista de desejados e, é claro, o bolso. Vamos lá!

"Em meus 12 anos fazendo o programa Dr. Phil, nada me mudou tanto quanto Michelle Knight e sua história de sobrevivência."
                                                                         - Dr. Phil McGraw


Título: Libertada
Título Original: Finding Me
Páginas: 192
Autor(a): Michelle Knight e Michelle Burford
Editora: Fontanar
Gênero: Não Ficção
Ano de Publicação: 2014

Avaliação:

Capa: 5/5
Diagramação: 5/5
Obra Completa: 5/5





Sinopse: Michelle Knight foi raptada em 2002 por um motorista de ônibus escolar de Cleveland chamado Ariel Castro. Por mais de uma década, ela sofreu torturas inimagináveis nas mãos de seu sequestrador. Em 2003, Amanda Berry juntou-se a ela no cativeiro, seguida por Gina DeJesus em 2004. A fuga das três, em 6 de maio de 2013, foi notícia ao redor do mundo. Milhões de pessoas comovidas agora se perguntam: o que realmente aconteceu naquela casa, e como Michelle encontrou forças para sobreviver?


Mal saída de sua própria infância problemática, Michelle estava afastada da família e lutando para reaver a guarda do filho quando desapareceu. A polícia acreditava que ela havia fugido, por isso retirou seu nome da lista de pessoas desaparecidas 15 meses após o seu sumiço. Castro a atormentava com isso, lembrando que ninguém procurava por ela, que o mundo lá fora a esquecera. Mas Michelle não se deixava abater.

Comovente, chocante, e por fim triunfante, Libertada revela os detalhes da história de Michelle, incluindo os pensamentos e orações que a ajudaram a encontrar coragem para suportar suas inimagináveis circunstâncias e construir, a partir de agora, uma vida que valha a pena ser vivida. Ao compartilhar seu passado e seus esforços para criar um futuro, Michelle se torna a voz dos que não têm voz, e um poderoso símbolo de esperança para milhares de crianças e jovens que desaparecem todo ano.

Resumo:

Em 2002 Michelle Knight teve sua vida virada de cabeça para baixo. Ela foi sequestrada e mantida 11 anos em cativeiro. Michelle sofreu horríveis torturas na mão de Ariel Castro, seu sequestrador. Passou fome, sede e coisas inimagináveis na mão de Ariel.

Em 2003 ela ganhou companhia, Amanda Berry foi raptada e, mantida em cativeiro junto com Michelle. As duas só conseguiam pensar em quando seriam encontradas e ficavam loucas só de pensar na possibilidade de ficarem presas ali por muito tempo. Um dia, mais uma garota é raptada e dessa vez é Gina DeJesus, que ajuda Michelle nesses anos dolorosos anos na "prisão".

Opinião:

Não costumo ler livros de Não-Ficção. A maioria deles ou é autoajuda ou é algum tipo de manual maluco, por isso, esse é um gênero que não é muito aceito por mim. Toda regra tem exceção, certo? Libertada foi essa exceção, que além de abrir meus olhos, me fez ficar mais grato pela vida.

É um pouco difícil fazer uma crítica a um livro que, além de ser verídico, mexe com um assunto tão forte. O sequestro! Para os que acham que o livro já começa com Michelle no cativeiro, estão enganados. Ela irá contar os acontecimentos da sua vida desde a infância e mostrará para o leitor o quanto sofreu. O cativeiro foi só um horrível "bônus" na vida de Michelle.
"Histórias desse tipo viram notícia, mas quando a poeira baixa, é fácil esquecer todas as pessoas que continuam desaparecidas. Esse é um dos motivos que me levaram a abrir minha vida neste livro: quero que todos se lembrem daqueles que estão perdidos". p. 9
O livro é narrado em 1º pessoa e quem nos conta tudo é Michelle. Por muitas vezes, a escrita de Michelle pode parecer infantil ou, até mesmo, imatura, mas percebe-se que tudo isso se deve a má formação escolar e, logicamente, aos maus-tratos sofridos por ela. É como se as palavras empregadas em diminutivo e alguns erros de coesão, dessem um conforto a ela. Uma espécie de alívio emocional.
"O homem que roubou grande parte da minha vida preferiria que eu ficasse quieta. Mas é exatamente por isso que não devo ficar. Mesmo antes de me ver no lugar errado, na hora errada, eu já sentia que não tinha voz. Por isso agora quero falar por todas as mulheres e crianças desaparecidas que ainda não estão sendo ouvidas. Espero que nunca mais ninguém se sinta como eu me senti por tantos anos: jogada fora. Ignorada. Esquecida (...)". p. 10
Não foi fácil para mim enquanto leitor acompanhar o sofrimento de Michelle. Ela nos conta coisas horrorosas. Não entra em detalhes, até porque é algo muito doloroso, mas nos dá informações importantes, por exemplo, quantas vezes foi: violentada, agredida, passou fome, sede e etc. Não é um livro fácil e, por isso, só recomendo aqueles que tenham uma "mente" mais forte.

A diagramação está linda. O livro contém imagens que ajudam demais no raciocínio e imaginação do leitor. Folhas amareladas e fonte de tamanho bom também são complementos desse livro. Realmente, não tenho nada a reclamar.
"Estou caindo na escuridão, caindo tão rápido com estas grandes feridas abertas e um coração machucado. Estou paralisada. Como pude interpretar os sinais tão errado, e por que não consegui entender antes que fosse tarde demais? Agora está claro para mim que nem tudo o que vemos é o que parece ser". p. 122
Não consigo encontrar palavras para descrever o que senti lendo esse livro. Posso dizer, que: ódio, alegria, emoção, raiva. Foram alguns dos sentimentos despertados em mim durante a leitura. Não consegui não chorar, pois a história de Michelle é inspiradora e revoltante. Admiro-a, pois mesmo em meio a tantas dificuldades, não perdeu sua crença em Deus e jamais pensou em desistir.

Recomendo o livro para pessoas que desejam histórias mais cruas e dolorosas. Não é uma obra fácil de ler, pois mexe muito com o emocional. Parabéns a Michelle e a todas as outras duas meninas por terem conseguido sobreviver nas mãos daquele monstro. Meu muito obrigado por compartilhar o que você passou comigo e, pode ter certeza, levarei sua história de vida para sempre comigo.
"Quero abençoar outras pessoas, tanto quanto fui abençoada. Sempre que digo isso, algumas pessoas parecem surpresas por eu ver minha vida como uma bênção, depois de todas as coisas terríveis por que passei. Mas a bênção é que eu saí viva de tudo aquilo. Ainda estou aqui. Ainda respirando todo dia. E ainda capaz de fazer alguma coisa pelos outros. Não existe bênção maior do que essa". p. 184

15 comentários:

  1. Hey!

    Eu sinceramente não acho que tenha estômago pra ler um livro desses. Se esses temas pesados já mexem comigo em livros de ficção, imagina nesse que é real! Não me arrisco não, pelo menos por enquanto. Esse último quote me emocionou, pelo visto Michelle é mesmo uma mulher incrível.

    Beijos
    http://escolhasliterarias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. livro forte, mas resenha leve, conta coisas muto pesadas como (sequestro, cacere e maus tratos) gosto mto de histórias reais e de força de vontade, pois Michelle ñ perdeu a fé de ver seu filho e fugir do seu sequestrador,ARIEL CASTRO.

    ResponderExcluir
  3. Caraca! Deve ser um livro forte! O único problema é que eu não tenho mente forte como vc disse, não sei se aguento ler tudo isso sem ficar extremamente chocada e abalada emocionalmente, mas sem dúvida deve ser um livro incrível!

    Parabéns pela resenha!

    bjs, Michele

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  4. Também sou difícil de ler livros com essa pegada mais séria, amigo. Não me acho de mente fraca para aguentar certas coisas no sentido físico, sabe? Mas algo em mim se quebra quando vejo como o mundo é estranho e cruel. Principalmente quando tem sequestro no meio.
    Contudo gosto da realidade das situações nesses livros. É em uma leitura dessas que a gente se pergunta sobre nossos instintos e moralidade. Pensamos se faríamos uma determinada coisa que a pessoa fez ou disse. É tenso, mas nos fortalece.

    bjus
    terradecarol.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Olá, Gabriel.
    Confesso que diferente de você as vezes pego alguns livros de não ficção para ler. Mas assim como você odeio autoajuda. Não conhecia esse livro que você resenhou, mas acho que gostaria de ler, me parece forte, chocante e que abre realmente os nossos olhos para o maior bem que podemos possuir a liberdade. Até mais. http://contodeumlivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Cara, eu amoo livros de não-ficção ahaha tanto quanto amo livros de ficção. Em minha mente sempre há espaço para o conhecimento e a "viagem" de uma maneira igualitária
    Eu odeio autoajuda, apesar de meus textos parecerem ser, não são. Minha estante é cheia de livros de filosofia, e nenhum deles em algum instante me ensinou a fazer algo. E sim me induziram a buscar as respostas dentro de mim, a me preencher... sou o que sou graças a Nietzsche e a outros filósofos fundamentais em meu crescimento, que não tem fim, eu sempre estou disposta a crescer um pouco mais.
    Acho que livros de autoajuda tiram um pouco a autonomia das pessoas de descobrirem aquilo que as faz feliz. Nunca li esse livro, porém a leitura parece convidativa :D
    (apaguei o comentário acima, por conta de erros ortográficos que eu cometi na rapidez em que escrevi, e sou um pouco perfeccionista demais hahaha) bjo ;*

    http://conclusoesnoturnas.blogspot.com.br/2014/07/estar-vivo.html

    ResponderExcluir
  8. Oi Gabriel tudo bem, quando vejo esse livro as duas palavras que vem na minha mente é receio e medo por ser um livro verídico e todo sofrimento que a autora passou, eu pretendo ler sim com certeza! Adorei suas descrições da sua resenha!
    Bjkas
    Dani Casquet- Livros, a Janela da Imaginação

    ResponderExcluir
  9. Oii Gabriel, tudo bem?

    Sabe que esse livro me apavora um pouco? Ao mesmo tempo que me deixa morta de curiosidade, sério. Fico dividida, não sei se teria estomago para a leitura, mas ele está na minha Wish já a bastante tempo, quando tiver coragem e ler, venho te contar como foi.. beijos mil!
    http://traduzindo-sonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Nossa a história dela já foi publicada. Que rápido. Eu acho essas histórias macabras, mas eu gosto de ler para entender como essas pessoas conseguem superar uma coisa dessas. Deve ser difícil demais.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá,

    adoro esse tipo de livro, e já coloquei em minha lista esse livro para eu adquirir. Parabéns pelo blog e resenha!!! ?:D

    Abraços e boas leituras!!!

    http://ameninaeovento2.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Gosto muito de livros fortes assim!
    Realmente não conhecia o livro!
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  13. Um livro MUITO BOM com o mesmo tema é "Vida Roubada". Amei, simplesmente! Adoro não-ficção. :D
    whoosthatgirrl.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Oi! Eu vi o filme recentemente e resolvi procurar informações sobre o livro, pois fiquei muito interessada pela história... Me chamou muito a atenção por ser uma história real de muita fé e superação! Parece inacreditável que uma pessoa consiga dar a "volta por cima" depois de passar por tudo isso!

    ResponderExcluir
  15. Olá boa noite! Alguém me consegue dizer, onde posso ler o livro online? Ou até mesmo comprá-lo? Não o encontro nas lojas perto de mim, já vi o filme e gostaria imenso de ler o livro!

    ResponderExcluir

Heey!

Agradecemos pela visita. O que achou do post? Compartilha sua opinião conosco. Obrigado :)
















EU VIVO LENDO. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.
DESIGN E DESENVOLVIDO POR SOFISTICADO DESIGN